BRASÍLIA NUNCA MAIS SERÁ A MESMA DEPOIS DA OBRA LITERÁRIA “A BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA”

FOTO/ REPRODUÇÃO KBOLIVEIRA
Sinopse: Angelique Duncan trabalha em uma livraria no Conic e está prestes a se formar na faculdade. Está satisfeita com sua vida desde que conseguiu vencer seu maior desafio: a depressão. Tudo muda quando se depara com um homem desconhecido sangrando no subsolo da livraria. Ela acha que está sob efeitos de drogas porque o sujeito se parece com Jhon Constantine dos quadrinhos da DC que, na verdade, se chama Alexandre Kalinictos, que é um mago e os magos protegem os Guardiões, que são uma espécie de bibliotecários do conhecimento oculto de civilizações diversas, e Andarilhos, que podem caminhar pelas bibliotecas. O maior problema é que, embora Andarilhos e Guardiões não possam ler os livros, Angelique tem acesso ao conhecimento e sua vida está em risco!
Páginas: 403

Mais uma autora brasiliense, Georgiana Calimeris. “A Biblioteca de Alexandria” se passa no cenário de Brasília, se em algum momento teve uma plena curiosidade sobre como seria a capital do país, acompanhe Angelique que a mesma possui a melhor forma de definir Brasília e seus climas. Angelique não é qualquer garota, e não seria uma típica garota brasiliense. Seu cabelo é colorido e a mesma possui uma forma peculiar de se vestir, o que acaba até mesmo por desagradar a sua mãe, como a própria coloca em várias passagens do livro, que vive a comparar sua vida terrível com a de sua prima Melissa, que além de ser esbelta é bem sucedida.

“Senti um rubor imediato. O Senhor José me olhou com certo desprezo.
 - Estas coisas não funcionam assim. Outros já atravessaram antes e tivemos que acionar os magos de verdade!”

Tudo se inicia em uma livraria no Conic, um dos pontos turísticos de Brasília, onde a mesma trabalha. Ao sair para buscar um livro raro que se encontra no porão da livraria do Senhor José  a mesma acaba por abrir uma fenda para um outro mundo, totalmente novo e impossível, nem ela mesma sabe como aquela outra biblioteca apareceu naquele porão, o que ela não esperava era ver um homem, parecido com Jhon Constantine, sangrando a sua frente. Duncan não entende o que pode estar errado e como aquele novo mundo pode ter aparecido bem ali em baixo de um porão velho, seu contato logo é quebrado e a mesma começa a achar que estaria sob efeitos de drogas.

Porém, não seria bem assim. Angelique pertence a uma linhagem rara de Andarilhos, os Andarilhos das Estrelas, cuidadores de bibliotecas com os mais variados segredos. Estes andarilhos são responsáveis por guardar os maiores segredos de todos os mundos obscuros que existem: vampiros, magos, guardiões, bibliotecários (andarilhos), etc. Além de guardar e resguardar os segredos a mesma ainda possui o dom da magia e da leitura, e apenas poucos andarilhos como ela o possuem, sendo ela a última de sua “espécie”.

“ – Esta biblioteca não existe mais?
O riso confortável.
- Ela existe, minha querida. O conhecimento nunca deixa de existir, apenas está vagando pelas estrelas e só você pode encontra-la entre todas.”

Sua vida virá de cabeça para baixo quando entra nesse mundo. Além de ter que suportar o peso da depressão, doença que lhe afligiu há dez anos, a mesma descobre que na verdade sua doença também era parte de uma magia escura e sinistra que levava muitos a morte. Por incrível que pareça Angelique conseguiu vencer o Vazio, ou a depressão.

Todo andarilho possui um mago ligado ao mesmo, e nada mais nada menos do que o jovem Sterre para lhe deixar a beira da loucura e confusa sobre suas emoções. Em um ato de coragem o mesmo se viu ligado de imediato a Angelique, mas a regra é clara: nenhum mago deve se envolver com aquele a qual protege, ou os danos poderiam ser irreversíveis.

“Os dias eram similares uns aos outros. As aulas eram tediosas. Minha salvação era os livros entre um cliente e outro. O Senhor José sumia por horas em seu escritório com mais frequência e eu amava o silêncio e observar o movimento do Conic.” 

No entanto, Angelique conhece Keld, amigo do jovem Sterre. Keld acaba por se aproximar mais e mais de Angelique e dessa forma surge entre os mesmos um amor, uma paixão que poderá mexer com os nervos do próprio Sterre. Será que ele está se apaixonando pela jovem Angelique?

A Biblioteca de Alexandria” é um livro envolvente e gostoso de ler, leve e até mesmo um pouco engraçado. Angelique é uma personagem que me parece muito mais humana do que muitas que vi por ai, de início achamos estranho à forma como a própria fala, pois no livro lemos constantes palavrões em seus diálogos, mesmo assim com o passar da leitura acabamos nos adaptando. Algumas passagens de cenário e até mesmo tempo deixaram-me um pouco confusa, fazendo-me ler com mais atenção para que não fosse perdido nada. Aconselho o leitor a entrar nesse mundo novo e ver Brasília com novos olhos. Brasília com toda certeza já não é mais a mesma (ou não será) depois dessa leitura.

“A alma da biblioteca existe quando ela tem o prazer de alimentar àqueles que, verdadeiramente, buscam a si mesmos por meio das palavras e dos livros. Todos estão livre agora e podem voltar para suas casas!”

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.